segunda-feira, 29 de julho de 2013

Primeiro que o autor é um querido. O Alexandre me mandou um livro autografado e tudo. Sim, adoro um autógrafo!

Junte Crepúsculo e Fallen e terá um bocado de Legna.  E isso não é ruim, visto que são duas franquias que fizeram muito sucesso entre o público adolescente.

Primeiro, deixem-me divagar um pouco sobre a publicação de livros no Brasil. As editoras apostam muito nos livros internacionais, isso é visto de longe. As revisões são, na maioria dos casos, muito bem feitas e tal. Porém estas editoras, ao que parece, esquecem de revisar os livros nacionais. É normal que o escritor erre algumas coisas, tenha alguns vícios de linguagem, e isso cabe ao revisor organizar e limpar o texto, deixando-o redondinho, pronto para a nossa leitura.
Por que tanta divagação? Por que Legna, como já disse, tem elementos para cativar os leitores mais jovens, mas é mal revisado. Erros de concordância, gramaticais, vírgulas mal colocadas... Se fosse uma produção independente, algumas dessas coisas seriam até deixadas de lado – e faladas com o autor para melhorar na próxima tiragem; mas sair de uma editora, como a Dracaena, sem uma revisão decente? Ah, não.

Pronto, desabafei. Agora vamos à obra em sua essência?
O erro da obra, em si, está na sinopse. Ela fala demais sobre a obra, e o leitor acaba ficando sem muitas surpresas. Mais uma vez, a editora podia ter dado uma lida... Enfim...

Legna Philps, 18 anos, é uma garota normal, que mora com os tios em Miami. Após o atentado de 11/09/2001, seus tios viram-se obrigados a partirem para o Brasil, ela teve que morar em Paris, com seus pais. Lá ela conhece Sayed Nasser, através do Orkut e, após alguns desencontros, acabam se relacionando. O amor é rápido, jovem, intenso, quer ser forte, mas os segredos acabam o enfraquecendo.

Sayed é o cara lindo. Ao contrário de muitos livros que lemos, neste caso ele não é o badboy que conquista a todas. Neste caso ele é lindo e perfeito, mas normal. As mulheres o acham lindo e normal. Isso foi um ponto positivo.

No início da trama, Legna tem um namorado que não vale nada, e afirma que está com ele apenas por comodismo. Com sua ida para Paris, ela abandona o traste – ainda bem.  Na hora em que o romance de Legna e Sayed começa a acontecer, de verdade, o livro deslancha. Apesar de algumas cenas clichês, o romance é bem bonitinho.

Como a sinopse já revelou, Sayed é um cara que não é normal. E aí a Legna vai dar uma de Bella Swan e tentar adivinhar o que ele é, afinal. Ela é um pouco lerda e mal humorada. Aliás, ela me fez lembrar de mim mesma quando eu estava grávida – só pensava em dormir; assim Legna.

Encontrei um ponto de inconsistência na história. A obra se passa de 2001 e 2002 e fala sobre o Facebook, que foi lançado só em 2004... Sim, sou chata, gosto de tudo bem certinho.

O livro é escrito em primeira pessoa, pela visão de Legna. O que achei diferente, já que o escritor é um homem. Dá uma boa visão sobre o que os homens acham que passa na cabeça das mulheres. Os cenários e, até mesmo, os diálogos são detalhadas nos mínimos detalhes, o que cansa um pouco. Algumas poucas cenas foram dispensáveis, e acho que uma boa revisão daria conta disso.

Não gostei muito da personalidade de Legna. Ela acha que é culpada por tudo, até pelo que não é. Sai implorando para ter um pouco de atenção de Sayed. Mas este não é um erro do livro, é apenas a personalidade da personagem que não gostei. Parece não ter muita autoestima.

Os personagens secundários tem bastante espaço e são bem descritos. Achei muito legal, dá a trama um ponto a mais de visualização.
Algumas cenas sensuais aconteceram, mas não foram muito exploradas - ainda bem. A obra não pede nada demais, então é melhor não abusar.

A proposta do livro é boa. A temática é romance sobrenatural jovem, claramente inspirado em Crepúsculo e Fallen, duas sagas de sucesso, como eu já disse.

Acredito que se houvesse uma real revisão da editora, reformulando partes que não são tão interessantes, organizando vocabulário, frases erradas, mal pontuadas, seria um livro muito bom para adolescentes/jovens. Neste formato como ele está, tem uma historinha bonitinha, mas estes erros me deixaram um pouco desanimada.


A entrevista com o autor será feita na semana que vem. Ainda dá tempo de enviar suas perguntas:

Reações:

6 comentários:

  1. Oi, Came. Estou realmente chocada sobre a revisão. Li recentemente - inclusive a resenha foi ao ar hoje - um livro da editora e achei ótimo. Será que foi um editor diferente?

    Bem, sempre tive curiosidade sobre este livro, até porque essa capa não tinha como não chamar minha atenção. Sim, amo capas. Hahahaha!

    Adorei a resenha, são resenhas assim que me apaixonam. SINCERIDADE. Coisa que muito blogueiro grande perdeu. #fato!

    xoxo

    http://books-and-emotions.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sabrinaa. Também fiquei decepcionada com a revisão... Obrigada pelo elogio...

      Tomara que consiga ler este livro e me dizer o que achou :D

      Beijo

      Excluir
  2. Oi Came, bom dia. Estes dias mesmo me perguntei porque ainda não tinha lido este livro. Acho a capa linda e morro de curiosidade com o enredo. Deste mês não passa!
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que goste e não se desaponte tanto com algumas possíveis falhas.

      beijos

      Excluir
  3. Oiii Came. =)
    Comparar com Crepúsculo me desanima... e ainda tem os erros de revisão, ou melhor a falta de revisão. XD
    É assim que a Dracaena estimula os autores nacionais?! Medo disso.
    Mas falando do livro: eu adorei essa capa, ainda não dá muito para não pensar em pernas quando leio o nome da mocinha, mas eu já gostei e muito do rapaz. haha. E estou curiosa sobre o que ele é, afinal o ser diferente pode ter vários significados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniii, realmente fiquei com medo do estilo da Dracaena cuidar dos autores nacionais =/

      Olha, espero que leia o livro, aí tu pode dizer se desanima ou anima :D

      Excluir

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!