terça-feira, 27 de maio de 2014

Mais uma autora parceira no blog. Desta vez, falo de Camilla Sá, uma autora jovem e muito competente.
Ela enviou seu livro de estreia "A Árvore de Strangeville" para a minha leitura e mais um para vocês (autografado!).
Por hora, vou apresentar a Camilla para vocês. Já preparem as perguntas, pois após a resenha (até o fim dessa semana, eu prometo) farei aquela entrevista caprichada!!




SOBRE A AUTORA
            Desde criança, Camilla sempre foi apaixonada por histórias e adorava ler. Cada vez mais viajava em cada aventura e encontrava magia em todas as paginas. Certo dia se perguntou se ela também poderia escrever histórias com tudo o que imaginava e tanto amava.
            A Árvore de Strangeville é sua primeira obra. Ela escreveu aos catorze anos e, finalmente, está tendo a chance de mostrar ao mundo o que a sua imaginação é capaz de fazer e transportar os leitores para um mundo fantástico.
            Nascida em São Paulo, atualmente ela reside em Mogi das Cruzes com os pais, a irmã, três cachorros, um gato e milhares de livros.


SOBRE A OBRA "A ÁRVORE DE STRANGEVILLE"
             O único sonho de Caroline era ter uma vida normal: morar em uma casa fixa, fazer amigos que durem e ser popular. Mas, sempre que se muda, ela precisa começar tudo de novo. E Caroline não é muito boa nesse “novos começos”.
            Até o dia que chega em Strangeville. Lá, onde tudo parece diferente, ela encontra a Árvore de Strangeville: o elo mágico que separa o mundo real do universo da fantasia.
            Não somente a nova cidade, mas também a sua vida muda drasticamente. Suas preocupações deixam de ser com o lugar onde mora e se torna algo muito maior, como salvar não apenas um, mas dois mundos!
            Com a ajuda de Arthur e Bree, ela terá de enfrentar várias criaturas, esforçar-se para impedir que Klaus domine os mundos e cumprir a missão de colocar tudo em seu lugar.
            Uma história de aventura que faz com que você cruze a fronteira da árvore.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Genteeee, quem aqui é fã da saga Estilhaça-me?

Então tem novidade para vocês!

Vocês já podem solicitar as jackets dos livros Estilhaça-Me e Liberta-Me GRATUITAMENTE! (E estão lindaaas)



Regras: 
Será permitido o cadastro de um CPF por pessoa para solicitação da capa que deseja. 
O usuário deverá escolher uma ou as duas opções apenas uma vez.
 O prazo de solicitação termina no dia 06 de junho, às 23h59.

quarta-feira, 21 de maio de 2014


Você alguma vez já buscou o seu “Grande Talvez”? Mas, o que seria o “Grande Talvez”? 
Acredito que seja algo em torno de viver a vida. Abandonar a zona de conforto, buscar emoções não sentidas, desafios não vividos. Quebrar as regras, às vezes, sim. Conhecer, viver, sorrir, chorar, explorar, muitas coisas podem englobar o Grande Talvez, cada pessoa irá encontra-lo com sua singularidade. 
Acredito nisso.
É assim, filosofando, que se inicia o livro Quem é Você, Alasca?, do famigerado escritor John Green.
Antes do sucesso meteórico de A Culpa é das Estrelas e Cidades de Papel, Green, logo em seu romance de estreia, já mostrava sinais do quão habilidoso, filosófico e sensível era sua escrita. Quem é Você, Alasca? é de longe, mas muito longe, o livro que mais gostei do autor, e isso não significa que eu ache os demais ruins – já é possível imaginar o quão bom todos são, não?
A história triunfa em seus momentos existencialistas, em seus questionamentos sobre a vida e o viver. No modo como mostra que nós somos moldados por nossas vivências. Amizade e amor são temas bem explorados no livro, de uma forma menos clichê que as encontradas convencionalmente. O perdão, talvez mais o autoperdão, também tem lugar de destaque no enredo, ele nos faz assumirmos quem realmente somos e saber que nos momentos vividos fizemos o nosso melhor, mesmo que as consequências nem sempre sejam as desejadas. Até mesmo algumas questões religiosas são abordadas.

Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras - e está cansado de sua vidinha segura e sem graça em casa. Vai para uma nova escola à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o 'Grande Talvez'. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young. Inteligente, engraçada, problemática e extremamente sensual, Alasca levará Miles para o seu labirinto e o catapultará em direção ao Grande Talvez.  

Os personagens são uma bela fonte de conhecimento e referências. A narrativa em primeira pessoa favorece a descrição e a profundidade das vivencias de Miles ao ingressar em Culver Creek. O círculo de amigos (Takumi Hikohito, Chip "O Coronel" Martin, Lara Buterskayaque) que forma-se é interessante por suas diferenças, cada qual com sua singularidade, conforme avançamos na história, eles se tornam aquele grupo de amigos inseparáveis, aqueles amigos dos quais jamais nos esqueceremos por conta do momento vivido. Sentimentos afloram de modos incontroláveis, incluindo o amor de Miles pela apaixonante Alasca Young. Entre os seus pontos em comum, a literatura se faz presente de uma forma importante. Alasca é a verdadeira responsável por engrena-lo no caminho do Grande Talvez.

"Imaginar o futuro é uma espécie de nostalgia (...) Você passa a vida toda preso no labirinto, pensando em como você escapará um dia, e o quão maravilhoso será, e pensar no futuro mantêm você inteiro, mas você nunca fará nada disso. De uma hora pra outra tudo muda, se transforma, e você acabou de usar o futuro fugindo do presente." - Alasca Young    

 " O único caminho para sair do labirinto de sofrimento é perdoando." 
Alasca > Hazel. Alasca Young by Radiophonia

Após um longo período absorvendo a história do livro (quase seis meses), decidi (tentar) colocar em palavras o que senti ao lê-lo. Se ler com olhos apenas para o romance adolescente e o círculo de amizade em questão, provavelmente você não aproveitará todo o potencial que o livro oferece. Sua beleza está nas entrelinhas, nos mínimos detalhes que podem facilmente passar despercebidos - assim como todos os livros do John Green que li até o momento: a beleza da sutileza. 
Por último, digo que este livro tem um plotwist emocionalmente carregado que traz significados e uma beleza espetacular.  

terça-feira, 20 de maio de 2014

A editora parceira deste blog, Butterfly, está lançando o livro Reik Universal.
Saca só os detalhes:
 

Para comprar, vocês podem acessar o site da Butterfly (que sempre está recheado de coisas): http://www.editorabutterfly.com.br/

Eu não sou praticante desta técnica... Algum leitor do blog a faz?

Ah, e esta semana tem uma resenhaaa, que ó... vou te contar hein! Aguardem =)

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Genteeee! Sei que aqui tem muitos fãs da série Estilhaça-me. Entããããão, tenho uma notícia!
Amanhã, dia 15 de maio, junte-se às centenas de fãs da trilogia Estilhaça-me.
A partir das 10h da manhã, todos os leitores unirão forças para desbloquear o download gratuito do eBook Fragmenta-me, conto que antecede o lançamento de Incendeia-me, o último livro da série.
E então, pronto para incendiar as redes? Fiquem atentos!

sexta-feira, 9 de maio de 2014



segunda-feira, 21 de abril de 2014

Como vocês sabem, o autor Aurélio Mendes (Orbis) é parceiro do blog. Então, venho trazer uma novidade sobre ele...

Como deu uma parada na produção de livros, agora ele é colunista de um blog muito bacana, o Página Cultural:
Se liguem nos posts dele:

http://paginacultural.com.br/autores/edipo-assassino/


domingo, 20 de abril de 2014

A Editora Giz Editorial, parceira do blog, está com novidades!

A Giz está ampliando sua linha editorial. A partir de agora, através do selo GiBiz, publicará histórias em quadrinhos. Neste início de trabalho, o selo se concentrará em Graphic Novels criadas e produzidas por autores nacionais, descobrindo novos talentos e valorizando os já consolidados.

A primeira HQ será Imagine (zumbis) na Copa, com texto de Felipe Castilho e desenhos de Tainan Rocha. Pelo nome, acho que vocês já imaginam sobre o que será... Também está em fase de produção a versão em volume único de Jambocks, que conta a participação da FAB na segunda guerra (AMEEEIII). Um trabalho detalhado escrito por Celso Oliveira e que será ilustrado por Ton Albuquerque. Outros projetos já estão sendo negociados e discutidos. 

A HQ já está em pré-venda, no valor de R$ 29,90, através das páginas: 

Informações sobre a HQ: A Copa do Mundo chega à sua Grande Final. E é justamente durante este jogo decisivo que o fim da humanidade pode ter se iniciado. Por trás das câmeras e sobre o gramado, três pessoas enfrentam suas próprias batalhas, antes de perceberem que o maior pesadelo de uma nação pode não ser uma derrota em casa...
...e que nenhuma tragédia esportiva na história chegou ao nível do que está para acontecer dentro dos portões do Maracanã.


Biografias dos autores:

Felipe Castilho: Sobrevive em São Paulo. Escritor e roteirista, é autor da série de livros O Legado Folclórico, uma releitura para as lendas e mitos do Brasil em um cenário urbano e repleto de referências de games, filmes e cultura pop em geral. Os dois primeiros livros desta saga, “Ouro, Fogo & Megabytes” e “Prata, Terra & Lua Cheia”, foram lançados pela Editora Gutenberg. Prefere atravessar uma cidade infestada por zumbis do que lidar com multidões de gente viva. facebook.com/felipe.castilho.77

Tainan Rocha: Nasceu em São Paulo e cresceu igualmente apaixonado por futebol, desenho e música. Porém, como sempre foi um dos últimos a ser escolhido para jogar, hoje, desforra a sua frustração futebolística na prancheta e nas cordas da guitarra do powertrio Monocelha. Recentemente lançou de forma independente o livro de poemas ilustrado “Máquina de Sujar” na Quanta Academia de Artes – sua segunda morada que lhe ensinou muitas coisas, inclusive a desenhar o suficiente para já ter publicado em revistas e livros das editoras Abril, Moderna, Panini entre outros trabalhos. Mantêm sua arte online em: tainanrochailustracao.tumblr.com / facebook.com/monocelharock

Eu já vou adiantando que estou ansiosa por este selo, pois adoro este estilo de obra (zumbis, ainda!). Vamos aguardar a chegada dos lançamentos!

Uma linda mensagem para uma linda data! O verdadeiro sentido da Páscoa!


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Quando recebi um email da EditoraGenerale, afirmando que os autores desta obra tinham escolhido o RLeitora para ler e resenhar seu livro, eu fiquei louca de feliz. Primeiro porque adoro estes autores (eles já escreveram “O Preço de Uma Lição” juntos) e segundo, porque eles escolheram o blog a dedo (e eu nem sou parceira da editora).
Mas chega de conversa mole, o que nós queremos é a resenha, não é?
Sinopse:
Uma banda formada por três amigos e dois irmãos, no auge da fama e do sucesso, decide que, após quatro anos longe de sua pequena cidade natal, finalmente é hora de voltar para casa. A princípio, viajam apenas para descansar e se recuperar da desgastante vida de artista e, para mais tarde, voltar à impiedosa rotina. Mas não é necessário muito tempo para que o passado venha resgatar histórias, conflitos, lembranças e um sentimento de nostalgia que havia sido deixado para trás.
Os valores esquecidos voltam a fazer parte do cotidiano dos integrantes da banda que passam a enxergar tudo aquilo de que abriram mão em nome da fama. São colocados diante de todos os casos mal resolvidos do passado, desde relacionamentos amorosos e conflitos com a família até suas amizades. Assim, são obrigados a lidar com a culpa, o arrependimento, a saudade, a raiva e com tantos outros sentimentos.
Em meio a todo esse ambiente improvável e diferente, Ana, ou Aninha, uma garota perfeitamente comum, é imersa em uma realidade completamente diferente de qualquer uma que já tenha vivido. Será que essa mudança causará muito impacto em sua vida? Ou será que ela se tornará o caminho de volta dos integrantes da banda para o sossego e a normalidade?
Minha vez:
Antes de falar da história em si, quero dizer que o Prefácio foi escrito pela autora e blogueira Babi Dewet (Sábado à Noite e Sábado à Noite 2). A Babi tem minha total admiração e, assim que li suas palavras, no início do livro, já me empolguei.
Bem, este livro tem uma proposta muito bacana: mostra os bastidores do show business, o que passa na cabeça dos popstars relâmpago (aqueles que despontam rapidamente) e as mudanças em suas vidas.
Como vocês já sabem, eu não gosto de contar muito da história – acho que isso acaba com a graça da coisa. Então o que eu posso falar é que Gigio é o líder da banda Mega Watzs. É um cara imaturo, mulherengo e acredita que pode dominar o mundo apenas com sua fama e beleza. Através de uma aposta, ele conhece Aninha, a nossa protagonista marrenta. Ela entra na onda da aposta (sem saber desta, claro!) e acaba ajudando nesta busca interior que os membros da banda fazem, sem nem mesmo se darem conta. Disse membros da banda porque não é só Gigio que entra na vibe de Aninha, mas todos. Uma garota cativante mesmo, estudante de veterinária. E brava! Oh menina brava – quase uma TPM constante. Não concordo com algumas atitudes tomadas por ela, mas tenho que respeitar a personalidade que os autores deram à protagonista.
Além da relação amor/ódio de Aninha e Giovane, há dramas familiares interessantíssimos, que levam à reflexão. Mostrando que os ídolos são pessoas tão suscetíveis ao erro quanto qualquer outra, com problemas em família e nos seus círculos sociais. 
“- O problema não é comprar algo que não precisa, e sim precisar de algo que você não pode comprar.” (p. 215) 
Os personagens têm suas histórias paralelas – que, obviamente têm ligação com nossos protagonistas mas, ainda assim, têm suas vidas próprias e interessantes. Os personagens são bem críveis – visto as idades apontadas pelos autores, além de serem interessantes mesmo. As atitudes tomadas por todos são bem condizentes com suas personalidades bem delimitadas.
Trata-se de uma obra leve, bem escrita – o que faz o leitor começar e não querer parar a leitura. O livro traz, ainda, um CD com trilha sonora. São três músicas escritas (acredito eu) por Gigio (eu adorei todas, mas “Hashtag Partiu” foi a preferida, cm uma pegada dançante bem bacana), o que dá um ar diferente durante a leitura, afinal a imaginação voa ainda mais.
O livro fala sobre amizade e recomeços. Sobre as trombadas que a vida dá e sobre levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima.
Durante a leitura, observei alguns erros ortográficos, de revisão, mas que não incomodam, de toda forma.

“Ser feliz não é difícil. Mas se está sendo difícil encontrar a felicidade é porque você está fazendo algo errado.” (p. 329)

Booktrailer:
Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!