sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Segundo O Grande Livro dos Seres Fantásticos, os elfos são os senhores dos bosques, considerados “espíritos do ar”, e os seres mais sábios do mundo. Podem viver centenas de anos e permanecer com aspecto juvenil. Fisicamente possuem poucas diferenças com o ser humano: um pouco mais altos, com orelhas pontiagudas, pele pálida, olhos amendoados. São ágeis e elegantes, com longos cabelos, e os elfos masculinos nunca tem barba. Vivem nos bosques grandes e distantes, que conhecem perfeitamente.
Vestem-se de maneira camuflada e ficam praticamente invisíveis em seus bosques. Além disso, os elfos podem enxergar no escuro, desse modo podem deslocar-se a noite por todos os lugares, inclusive em cavernas. Sabem ler as estrelas, são capazes de ver o futuro, conhecem as propriedades das ervas e frutos dos bosques. Com toda sua sabedoria, conseguem vivem em harmonia com a natureza.
Além disso, é sabida a habilidade dos elfos no manejo de armas. Os torneios e lutas são seus passatempos favoritos e são especialistas em Arco e Espada.
"Contam que, em suas festas, costumam dançar por toda a noite até o nascer do sol. Então, evaporam-se deixando apenas suas pegadas na grama.
Cuidado! Que nenhum humano se atreva a participar de uma de suas danças, pois pode ser mais perigoso do que parece: pode fica enfeitiçado e, ao amanhecer, quando o galo cantar, desaparecer com eles para sempre". (p.14)
Porém os elfos não são todos iguais. Há uma lenda que diz que, no início de sua existência, os elfos se dividiram em dois grupos: os elfos claros e os escuros (drows). Os primeiros foram bons e belos, e povoaram os bosques. Os últimos foram maus e povoaram as profundezas da terra, onde não chega a luz solar.

Elfos Claros: Chamados também de "elfos da luz", dizem que são muitíssimo belos: louros, olhos claros e pele branca (na verdade a pele muito branca é sinal de maior beleza entre estes seres). Gostam de enfeitar a testa e cabelos com joias bonitas. Ainda podem mudar de aparência.
Elfos Escuros (Drows): São mais baixos que os elfos claros, têm pele escura, os pelo brancos e os olhos vermelhos. Enfeitam-se com braceletes e colares, e a maioria tem o corpo cheio de tatuagens. São muito maus: raptam moças e crianças para transformá-las em escravas. São encontrados, em geral, em igrejas e tumbas enormes. Vivem em cidades enormes, construídas sob a terra. Em seus combates usam um tipo de armadura indestrutível, parecida com diamante. Cavalgam grandes lagartos pelo bosque ao entardecer.

Já pela internet, circulam outras informações sobre os elfos:
Os elfos são criaturas místicas das mitologias nórdica e céltica, e aparecem com frequência na literatura medieval europeia. São apresentados como semelhantes à imagem literária das fadas ou das ninfas
Podemos tomar dois grandes autores que trazem os elfos de formas distintas: Willian Shakespeare e Tolkien.
Shakespeare descrevia os elfos como seres quase tão pequenos quanto insetos, em Sonho de uma Noite de Verão. Aparentemente os considerou sinônimos de fairies.
Tolkien os descreve como sábios não muito altos, cerca de 1,50m de altura e belos, sábios, poderosos, fascinantes, e com uma relação muito especial e profunda com a natureza. Trata-se  de uma raça muito explorada nos três livros da série — sendo dois dos personagens secundários mais importantes, Légolas Verdefolha (#todassuspira) e Arwen Undómiel, elfos (sendo esta última meio-elfa). O autor resgatou formas há muito inutilizadas da palavra Elf, Elfo em inglês, cujo plural era comumente Elfs. Em sua obra, Tolkien usava a variedade Elves, e a palavra acabou voltando aos dicionários. Assim como aconteceu com Dwarf, Dwarfs, Dwarves – que significa Anão (sentiu o poder da obra de Tolkien?).
Para Tolkien, tanto humanos como elfos são Filhos de Ilúvatar, mas os elfos são "imortais", pelo menos enquanto Arda (o Mundo), existir. Não envelhecem nem adoecem e, se forem mortalmente feridos ou sofrerem um grande desgosto, reencarnam nas Mansões de Mandos, em Valinor.
Légolas, para a alegria das meninas!
 Ainda podemos citar a Saga de Hrolf Kraki, onde um rei chamado Helgi estupra e engravida uma elfa - a mulher mais bela que jamais vira. A elfa dá a luz a meio-elfa Skuld, muito boa em feitiçaria e, praticamente, invencível em batalha – já que quando seus guerreiros caíam, ela os fazia erguerem-se de novo para continuar a luta. A única forma de derrotá-la era capturá-la antes que pudesse convocar seus exércitos, que incluíam guerreiros elfos. Skuld casou-se com Hjörvard, que matou Hrólfr Kraki.
Também há “o Heimskringla e na Saga de Thorstein, o Filho do Viking, relatos de uma linhagem de reis locais que governaram Álfheim, correspondente à atual província sueca de Bohuslän, cujos naturais, desde então, teriam sangue élfico e tinham a reputação de serem mais belos que a maioria dos humanos. O primeiro rei se chamou Alf (elfo) e o último, Gandalf (Elfo do Bastão, inspiração para o Gandalf tolkeniano)”.
Ainda dentro da Mitologia Nórdica, nas poesias e nas sagas, os elfos são ligados aos Æsir pela frase muito comum "Æsir e os elfos” ("todos os deuses"). Eruditos chegam a comparar os elfos aos Vanir (deuses da fertilidade). Mas no Alvíssmál ("Os ditos do Conhecedor de Tudo"), os elfos são considerados diferentes tanto dos Vanir quanto dos Æsir, como mostra uma série de nomes comparativos na qual são dadas as versões dos Æsir, dos Vanir e dos elfos para diferentes palavras, refletindo as preferências de cada categoria.
Como sabemos, a mitologia nórdica influenciou imensamente a cultura inglesa. Assim, em geral, os elfos mencionados em histórias medievais inglesas são do sexo masculino e, frequentemente, de caráter assombroso, relacionados ao estupro e assassinato. A única elfa mencionada com frequência é a Rainha dos Elfos, ou da Elfland. Já nos contos populares do início da Idade Moderna, os elfos são descritos como seres pequenos e travessos, que aborrecem os humanos ou interferem em seus assuntos. Nessa tradição, os elfos se tornaram sinônimos das "fadas" originadas da antiga mitologia céltica.

Uma lenda diz que se alguém espalhar folhas de escambroeiro (não faço ideia do que isso seja) ou espinheiro-cerval (Rhamnus cathartica, em inglês blackthorn, de frutos purgativos – que também não sei o que são) em um círculo e dançar dentro dele sob a lua cheia, aparecerá um elfo. O dançarino deve ver o elfo e dizer, “Halt and grant my boon!” ("Pare e me dê a bênção!") antes que ele fuja, e o elfo atenderá a um desejo.
No épico medieval alemão Nibelungenlied ("A Canção dos Nibelungos" ou ainda “O Anel dos Nibelungos”), um anão chamado Alberich tem um papel importante. Alberich significa literalmente "rei-elfo", o que contribui para a confusão de anões com elfos. Através do francês Alberon, o mesmo nome originou o inglês Oberon – rei dos elfos e das fadas (fairies) em Sonho de uma Noite de Verão de Shakespeare.
J.K. Rowling trouxe-nos outro tipo de elfos em Harry Potter: os Elfos-domésticos. São pequenos humanoides, que passam suas vidas servindo uma família ou instituição. A não ser que sejam libertados, seus descendentes vão continuar suas tarefas e a servir a família. Não apresentam cultura própria e existem somente para servir. Usam coisas como fronhas de travesseiro no lugar das roupas porque não podem usar roupas enquanto servem. Se um mestre presenteia um elfo-doméstico com roupas, este estaria livre e poderia deixar a família para sempre.

Alguns livros que fazem referência aos elfos:
  





O Grande Livro dos Seres Fantásticos
Reações:

5 comentários:

  1. muito legal!!!!!!!!!!!
    eu acho que devemos descobrir o que são folhas de escambroeiro e espinheiro-cerval para vermos um elfo (de preferencia o Légolas Verdefolha ) :D :D

    Mas eu ainda gosto mesmo é do Dobby (elfo domestico HP) ohhhhhhhhhhhhhh
    >)

    bjão Came!!! adoro esse post!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ai que ficou demais!!!
    E num é que gamei nesse elfo lindo, loiro de olhinhos bem verdinhos. *-* Imagem perfeita Came.
    E, yuhuuu, o Légolas, ai, ai. =D
    Esses drows são de arrepiar, oh coisinha feia, mas já que tem relação com o caráter bate muito bem.
    Não li nenhum dos livros indicados, mas tenho vontade deler "A caçada dos elfos" e quem sabe "O senhor dos anéis" tb (eu só vi o primeiro filme e pq meu filho quem escolheu).
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Linda matéria! Abordou os elfos num sentido bem amplo, de Tolkien a Shakspeare. Eu como jogador de RPG já sabia bastante sobre o tema, contudo, não deixei de agregar mais conhecimentos com essa aula história dos elfos :)

    http://legadodaspalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que post perfeito! *-*
    Há algum tempo atrás eu havia baixado HP em e-book (apesar de eu não gostar muito de e-books, mas quero muito lê-los) para ler, e minha irmã baixou os filmes de "O Senhor dos Anéis", que verei em breve. Adorei conhecer um pouco mais da história dos elfos, e agora estou com mais vontade de ler livros e ver filmes sobre eles. =)
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. "eu acho que devemos descobrir o que são folhas de escambroeiro e espinheiro-cerval para vermos um elfo (de preferencia o Légolas Verdefolha )"
    Vixe, começo a pesquisa desde já! Hhaahhaha!
    Adorei o post! Muito interessante essas comparaçoes de culturas, mas acho q o mais divertido é pensar que ela persiste por tanto tempo! Além de vir de diferentes culturas!
    Já li SdA, já li Sonho de uma noite de verão, já vi o filme dos Nibelungos, e não tem como... Tolkien criou os seres mais fantásticos e enigmáticos! Ainda prefiro a versão dele! =D

    Parabéns pelo post, deve ter dado trabalho! ;)

    ResponderExcluir

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!