sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Carlos leva uma vida pacata. Ele vê seu mundo desmoronar ao fazer parte de uma investigação que mudaria o rumo de sua vida. Ele é introduzido à uma rede de intrigas, corrupção e conspiração governamentais. Quando Carlos é envolvido numa investigação de um assassinato, ele é apresentado à uma realidade da qual ele não vai poder escapar. Tudo começa quando o investigador do assassinato (Alberto) é apresentado a Carlos. Alberto não mede esforços para ir a fundo na investigação e contrata alguém para se infiltrar em arquivos secretos do governo. Seu infiltrador é emboscado e morto, por agentes federais. A partir daí, sua segurança e vida são postas em risco. Ele aparece morto e seu corpo é encontrado por Carlos. O remanescente da investigação (Alfredo) é posto em contato com Carlos. Com a única coisa que restou da investigação em mãos, os documentos secretos do governo, eles vão se aprofundar ainda mais no olho do furacão em que se encontram. Encaixando as peças de um gigantesco quebra-cabeças, os dois descobrem fatos que o governo esconde da população, como, por exemplo, de que a realidade não passa de fruto da criação de uma inteligência infinita. Desse ponto em diante, o real se mescla com a ficção num jogo de descobertas e obstáculos. Carlos descobre na biblioteca do assassinado um livro em que ele constata que a vítima do assassinato que ele investiga, é ele próprio. Sua descoberta o faz perceber de que ele é mais uma peça num espetáculo orquestrado por uma figura oculta. A investigação que levou a cabo não passou de uma história da qual ele fez parte. Ele constata a realidade do acontecido quando se vê acordando de manhã, em sua cama, e de que tudo o que aconteceu foi só dentro de sua mente, e de que ele só teve um pesadelo decorrente de uma noite ruim.

Livro em e-book cedido pelo autor.

Bem, a sinopse fala sobre o livro MESMO! Se eu contar qualquer coisa a mais estarei revelando coisas que não devo!
Então eu vou falar sobre o que eu achei da obra!
O livro é uma loucura, e vou contar a razão! Há uma repetição dos fatos – como em um sonho, dejà vu. Por mais que isso seja essencial para a trama, o leitor fica sem entender o que realmente passa, até que a leitura alcance certo ponto. E isso não é mau, não mesmo – a expectativa é o grande trunfo do início do livro.
Praticamente não há descrição de locais ou personagens (fisicamente), já que o enfoque da obra é em relação aos diálogos, com perguntas respondidas com outras perguntas, induzindo a reflexão do leitor. Porém por vezes me vi perdida em meio às conversações – já que não sabia mais quem estava falando a frase.

Em alguns momentos algumas conversas me pareceram sem nexo, outras engraçadas – conheço alguns leitores do blog que iriam adorar os diálogos! Carlos fala com charadas/parábolas, e me vi quebrando a cabeça para entender o que ele queria dizer. Sim, uma confusão mental – sabe que eu acho que essa era a intenção do autor. O livro todo é assim: confuso de propósito.
A obra faz duras críticas à realidade exposta ao público pelo governo, dando uma visão radical sobre o capitalismo e os comandantes do Estado. Permitam-me divagar: lembrei-me do tempo em que eu mesma era uma “metida a punk” que criticava o “sistema”. Algo radical e que fazia todo sentido para mim, na época. Por isso entendi a mudança que os personagens estavam buscando em suas vidas – apesar de hoje não pensar da mesma maneira.
O que buscavam? Saber o que é real e o que é ficção.

Pontos Positivos: A temática diferenciada. A busca pelas respostas que podem mudar o pensamento mas não muda a vida, efetivamente.

Pontos Negativos: A falta de descrição durante os diálogos me deixou perdida em alguns momentos.

Posso dizer que este “Livro da vida” pode fazer muito sentido a muitas pessoas. Eu já passei pelos questionamentos das personagens e hoje não mais os faço. Acomodação? Talvez.
Mas a acomodação é real? Os questionamentos são reais? O que é real?

O livro é bom e como é rápido, não é cansativo. Resumiria a obra em: Interessante.
Reações:

6 comentários:

  1. Came "metida a punk", meu deus ri demais agora. kkk Desculpe maluca querida.
    Falando do livro eu gostei dessa questão de charadas, mas fiquei confusa com a confusão proposital. o.O
    A capa não me agradou, mas por sorte o livro vale né?
    Até pq não ligo muito sobre descrições detalhadas desde que os diálogos sejam bons.
    Curiosaaaa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dani!
      Olha só, eu sirvo para vocês rirem da minha cara hahaha
      O livro é curto e intenso... Se chegar a ler, me fale como foi a experiência :D

      Beijos

      Excluir
  2. Oi Came!
    Fiquei confusa lendo a sinopse! rsrsrs mas depois, com sua opinião, entendi (ok, +/-) oque a obra quer passar! Deve ser um livro interessante de se ler mesmo, mas não sei se estou nessa época agora, confesso que estou querendo umas leituras mais "água com açucar".

    Parabens pela resenha, sempre muito bem escrita!!! bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana!
      Confusão, neste caso, é normal. E como fiquei confusa também haha
      Obrigada :D Ah, prometo tentar trazer mais livros água com açúcar rsrs

      Excluir
  3. Olá Came!
    Livros com confusão proposital não é comigo, é muito complexo para minha cabeça! rs
    Mas acho bem interessante leituras com reflexões.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia!
      Realmente tem que gostar de confusão para ler este livro...

      Beijos

      Excluir

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!