quinta-feira, 13 de março de 2014


“Sou loucamente apaixonado por você, Penny. Você é a minha coisa mais favorita desse mundo.”

O fim do mundo é inevitável em Procura-se Um Amigo Para o Fim do Mundo (Seeking For a Friend for the End of the World, 2012). O filme explora o que aconteceria com as pessoas caso o fim do mundo fosse anunciado. Acompanhamos os últimos dias da vida de Dodge, interpretado pelo carismático Steve Carell, desde o anúncio do fim até o momento derradeiro. Sua vida teria o fim mais monótono possível, não fosse por sua jovem, desconhecida, extrovertida, melancólica e um tanto amável, viznha Penny, vivida pela belíssima Keira Knightley. A dupla está carismática e interpretam personagens com algo em comum: desilusões amorosas. Além dos protagonistas, o elenco de apoio também é ótimo e conta com nomes como: Martin Sheen, Mark Moses, Adam Brody, William Petersen, Patton Oswald e Connie Britton  

 Na trama, o asteroide Matilda está em rota de colisão com a Terra e não há mais saída: o mundo será totalmente destruído. Restam três semanas até o acontecimento fatídico. As pessoas decidem aproveitar seus últimos dias das mais variadas formas, desde bebedeiras até sexo sem compromisso. No meio de todos o caos trazido pelo fim, dois vizinhos, solitários e completamente desconhecidos um ao outro, Dodge e Penny, acabam por se encontrarem e decidem percorrer o país em busca de rever pessoas do passado. Ela para reencontrar a família; ele, para rever um grande amor de sua juventude. A viagem traz muito mais que apenas troca de experiências. Acaba por trazer reflexões e uma sincera amizade entre os dois.

O filme apresenta um tom nostálgico, mostrado na relação de Penny com discos de vinis e também uma falta de contato entre as pessoas. A roteirista e diretora Lorene Scafaria (Nick & Norah - Uma Noite de Amor e Música), transmite uma mensagem importante sobre o contato entre as pessoas, principalmente em um mundo cada vez mais tecnológico, cada vez mais fechado às telas de computadores e celulares. O foco é no quão importante é passarmos nosso tempo com quem amamos e com que nos ama, é um filme sobre estar o máximo de tempo possível perto de quem realmente nos faz bem.  
Intrínseco em relação a sua comicidade e sua melancolia, com um romance bem estruturado que foge da pieguice muitas vezes vistas, o filme é leve e prazeroso de assistir. Personagens bem construídos e, acima de tudo, cativantes. Repleto de cenas malucas como uma família reunida injetando heroína ou uma orgia em uma lanchonete. Cenas melancólicas quando ambos trocam informações sobre suas famílias ou durante a ligação de Penny aos seus pais. Um filme bem construído com reviravoltas fidedignas de fazer o coração apertar e os olhos ficarem marejados. Uma ótima surpresa.  

Sobre o autor

Hugo Sales Hugo Sales
Escritor e músico aprendiz. Cinéfilo dedicado. Herdeiro do Resenhas de Uma Leitora. Contista e RPGista. Mente Inquieta. Escreve sobre literatura, pois, não consegue viver sem e adora compartilhar seus pensamentos e gostos.
Reações:

Um comentário:

  1. Eu vi este filme, tenho certeza disso, mas não lembro de muita coisa :O
    Mas depois desta resenha, com certeza irei assistir novamente e desta vez com mais atenção

    bjs
    http://www.confraria-cultural.com/

    ResponderExcluir

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!