domingo, 23 de fevereiro de 2014


Eu. 
Eu me sinto na mente de Joel. Minha vida parece ser exatamente uma reprodução fiel dela. Relembro os sorrisos e os bons momentos enquanto eles caem. Enquanto são tomados de mim. E não há como voltar. 
Eu desejei isso. 
Busco por você. Viajo até as lembranças mais profundamente enraizadas. Lembro-me de como eramos. Antes de apaga-la. O mundo ao meu redor cai. Rui em grandes pedaços. Rompe o círculo perfeito assim como quando retiramos a primeira fatia da pizza.
E no final não sentirei sua falta. 
Ao menos essa será a dura e fria realidade que darei ao mundo: eu não sentirei sua falta. 
Deixo as lembranças partirem. As suas lembranças. As soterro com sob outras tão felizes quanto essas. Numa busca desesperada pelo "não mais sentir".
Não mais sentir saudade.
Não mais sentir amor. 
Não mais sentir ódio.
Não mais sentir suas palavras. 
Não mais sentir nada que provenha de você.
Separei um lugar especial a você na cabine do esquecimento. Um assento frio e escuro. Eu sou a mente de Joel. E você não mais será minha Clementine. Que te roubem  de mim. Que vivam a mesma vida que vivemos. Ninguém jamais a fará feliz como eu a fiz. 

Quando você não esperar vai doer e eu sei como vai doer e vai passar, como passou por mim e fazer com que se sinta assim, como eu sinto, como eu vejo, como eu vivo, como eu não canso de tentar, eu sei que vai ouvir, eu sei que vai lembrar, vai rezar pra esquecer, vai pedir pra esquecer...

E eu vou deixar. 




Sobre o autor

Hugo Sales Hugo Sales
Escritor e músico aprendiz. Cinéfilo dedicado. Herdeiro do Resenhas de Uma Leitora. Contista e RPGista. Mente Inquieta. Escreve sobre literatura, pois, não consegue viver sem e adora compartilhar seus pensamentos e gostos.
Reações:
Categories:

Um comentário:

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!