quinta-feira, 13 de junho de 2013


Olá, leitores do blog Resenhas de Uma Leitora!
Imagine um detetive, um verdadeiro mito entre os seus colegas de profissão, conhecido por sempre obter êxito em trancafiar criminosos atrás das grades. Uma mente brilhante e sagaz voltada para o bem. Agora, imagine um ladrão de bancos inescrupuloso, assassino, frio e cruel, desprovido de sentimentos. Tão perspicaz e efetivo quanto o detetive. Uma lenda intocável. Nunca deixa rastros, nem sobreviventes e nem dinheiro nos bancos que assalta. Um, a faísca. O outro, o combustível. O livro A Caçada, do autor Clive Cussler, é a combustão concebida pelo choque destes dois personagens.
Publicado originalmente em 2007, quase seis anos depois, a editora Novo Conceito acaba de lançar em território tupiniquim, o livro que é considerado o auge da carreira de Cussler.
A trama acontece em um Estados Unidos do início do século vinte, onde o governo norte americano contrata a renomada e proeminente Agência de Detetives Van Dorn. Dentre os muitos detetives da agência, existe um que se destaca dos demais como montanhas em uma planície, e, seu nome, é tão respeitado quanto o da Van Dorn. Esse é o detetive, Isaac Bell. Ele é encarregado de capturar o nefasto ladrão de bancos, conhecido pela alcunha agourenta de Assaltante Açougueiro. O criminoso é uma máquina de pilhar e assassinar, sem distinção, homens, mulheres, crianças e idosos. Ele nunca deixa rastros.
Tampouco testemunhas de seus crimes.
Bell e os agentes da Van Dorn, após muitas dificuldades descobrem a identidade do Assaltante Açougueiro. E, deste momento em diante, uma verdadeira caçada inicia-se em prol da justiça.
Cussler possui uma narrativa habilidosa, ele transporta o leitor através do cenário e do tempo de modo impressionante. Os detalhes das cidades, os costumes das pessoas da época, os trajes. Os carros. A locomotiva. Há um capítulo inteiro onde ele descreve Bell em seu carro em uma corrida alucinada atrás do rastro do Assaltante Açougueiro. Cussler é milimetricamente perfeito ao descrever a funcionalidade da máquina. E assim ocorre com a locomotiva.
Uma reviravolta em forma de catástrofe ocorre em perfeita coesão no exato momento quando tudo parece estar rumo ao desfecho final. Algo de proporção babilônica e brilhantemente narrada por um escritor que tem clara consciência sobre o que está escrevendo.    
Os personagens protagonistas são muito bem descritos, enquanto Bell é o detetive galante e implacável, o Assaltante Açougueiro é frio, calculista e sem escrúpulos. Ao mesmo tempo, Marion – par romântico de Bell -, é meiga, dócil e um tanto ingênua, Margaret, é uma personagem que vive literalmente na luxúria.
A Caçada tem um ritmo frenético e alucinante, seja pela habilidosa narrativa ou pela locomotiva a vapor. Uma história sobre o bem e o mal. Sobre justiça e injustiça. Um thriller com suspense, ação e muita tensão.
Uma aventura de Isaac Bell.            



Reações:

6 comentários:

  1. Muito legal a resenha! Gosto de thriller e achei toda essa historia entre o bem e o mal, tão bem formada, separada, que deve ser um ótimo livro!
    Eu viajo muito com cenas de perseguições e adoro qdo são contadas com detalhes, personagens que tbem são bem definidos fazem toda a diferença!
    vou ler sim, vlw pela dica

    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As cenas de perseguição são estupendas! :)

      Excluir
  2. Ótima resenha, eu já estava interessada após me apaixonar por "O reino", agora que vi sua opinião, poderei ler sem medo "A caçada".
    Isaac Bell é tão frenético quanto os Fargos. Preciso mesmo conferir, até pq este tem um ótimo vilão que sabe disfarçar seus rastros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O vilão é muito bem construído. Estou no rumo inverso ao seu, li A Caçada, agora que muito ler O Reino. :)

      Excluir
  3. Eu gostei muito da leitura do livro. Sua resenha é boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que curtiu o livro e a resenha. Obrigado!

      Excluir

Assine nosso Feed! Skoob! Siga-nos no Twitter! Facebook!